O que fazemos

Padrões Abertos

Os Padrões Abertos permitem que as pessoas partilhem todo o tipo de dados livremente e com toda a fiabilidade. Além disso, impedem o aprisionamento tecnológico pelos produtores e outras barreiras artificiais à interoperabilidade e promovem a possibilidade de escolha dos cidadãos entre diferentes produtores e entre diferentes opções tecnológicas. A FSFE pugna pela adopção de Padrões Abertos como forma de promoção da livre concorrência no mercado das tecnologias de informação, pois os Padrões Abertos garantem a facilidade de migração para Software Livre ou entre diferentes opções de Software Livre.

Introdução

A relevância dos Padrões Abertos está estreitamente ligada aos efeitos da ligação em rede, pelo que os mesmos têm vindo a emergir de forma extraordinária. As vantagens para os produtores de software com direitos, não-livre, do condicionamento do sistema em seu favor têm vindo a aumentar, da mesma forma que têm vindo a aumentar os custos para os utilizadores de software.

Administrações públicas e ONGs dedicadas ao interesse público, nomeadamente grupos que se preocupam com a liberdade de concorrência ou com os direitos dos consumidores são, em geral, fortes apoiantes dos Padrões Abertos. Críticos típicos são os produtores de software com direitos, não-livre, e os que representam os seus interesses. Um dos aspectos a que os críticos procuram dar relevo é o conflito inerente entre inovação e padronização.

Pela sua própria natureza, a padronização limita a introdução de alterações a qualquer base tecnológica, incluindo no campo da inovação. Mas estes limites são introduzidos para permitir a inovação subsequente por quem quer que tenha acesso ao padrão, e não apenas à parte que controla a base tecnológica. Por isso, os padrões limitam a capacidade de inovação duma parte para permitir a inovação por várias partes na base desses mesmos padrões.

Os Padrões Abertos permitem a inovação por todas as partes sem dar a possibilidade ao desenvolvedor inicial da plataforma de limitar tal inovação ou a concorrência que ela representa.

Entre os objectivos da FSFE estão a eliminação do aprisionamento tecnológico pelos produtores e as liberdades de inovação e de concorrência para todos. É por isso que a FSFE é um forte apoiante dos Padrões Abertos.

Publicações

Publicações do IGF (Internet Governance Forum, organismo da estrutura da ONU)

Publicações sobre o formato MS-OOXML

Notícias Relacionadas

FSFE Italy asks political parties about their positions on Free Software

19 February 2018

In light of the upcoming elections in Italy on March 4th, the FSFE country team Italy sent out multiple questions to the participating parties to challenge them on their position about Free Software in public administration and education. We will publish and analyse their answers once we receive them.

European Free Software Policy Meeting 2018: more joint activities important for Free Software in Europe

15 February 2018

Following the well-established tradition of gathering active Free Software groups before FOSDEM kicks off, the FSFE once again partnered up with OpenForum Europe for the third edition of European Free Software Policy Meeting in Brussels, the heart of European decision-making.

32 European ministers call for more Free Software in governmental infrastructure

09 November 2017

On 6 October, 32 European Ministers in charge of eGovernment policy signed the Tallinn Declaration on eGovernment that calls for more collaboration, interoperable solutions, and sharing of good practices throughout public administrations and across borders. Amongst other things, the EU ministers recognised the need to make more use of Free Software solutions and Open Standards when (re)building governmental digital systems with EU funds.

Estonian presidency in the EU: the FSFE asks for truly interoperable IT services in public sector

10 July 2017

The FSFE submitted its comments for the upcoming Tallinn Declaration for e-government drafted by the Estonian presidency of the Council of the EU. Therein the FSFE asks the current Estonian presidency to promote greater inclusion of Free Software in delivering truly inclusive, trustworthy and interoperable digital services to all citizens and businesses across the EU. The Tallinn Declaration will be signed by EU ministers in October 2017, expressing member states' joint vision for e-government and political commitment to follow the goals set. The proposal for Tallinn declaration is open for public comments until 14 July. The FSFE is asking organisations, companies, and individuals to let EU ministers know how Free Software is important for transparent and accountable e-government.

New European Interoperability Framework calls on public sector to contribute to Free Software

13 June 2017

The revised "new" European Interoperability Framework (EIF), adopted by the European Commission on 23 March 2017, gives specific guidance on how to set up interoperable digital public services, and offers public administrations concrete recommendations on how to improve interoperability of their e-services.

Ligações externas com interesse