Diretrizes de aceitação do programa fiduciário

A FSFE procura apoiar tantos projetos de Software Livre quanto seja possível com as suas atividades fiduciárias, que seguem a mesma orientação sem fins lucrativos e a longo prazo de Software Livre que rege todo o trabalho da FSFE.

Como uma organização sem fins lucrativos dedicada ao sucesso a longo prazo do Software Livre, a FSFE não pode dar-se o luxo de aceitar todos os projetos, e não deve aceitar projetos em que sente que não pode fazer o trabalho o suficientemente bem como para satisfazer os seus próprios critérios de qualidade de trabalho.

A FSFE, portanto, necessita tomar decisões baseando-se caso por caso para cada projeto que queira ter a FSFE como fiduciária. Os critérios que usa a FSFE com esta finalidade são:

Tecnologia:

Esforço:

Status de risco:

Política de licenciamento:

Solicitada a inserção no programa fiduciário da FSFE, o Coordenador da FTF avaliará estes cinco pontos, atribuindo a pontuação, que será complementada com uma ou duas breves descrições das rações dessa pontuação, para depois dar a pontuação geral e uma recomendação.

Esta recomendação deve ser tanto para a) aceitar um projeto nas atividades fiduciárias da FSFE, b) continuar a discutir com o projeto, ou c) rejeitar o projeto e, possivelmente, atribui-lo a outros grupos.

A recomendação é analisada pelo Conselho Executivo da FSFE e então aprovada ou - a critério do Conselho - direcionada para decisão da Assembleia Geral e/ou a Equipa da FSFE.